Poster Mandala Scleranthus

Marca: Graça Floral FialhoDisponibilidade: envio em 2 dias uteis


Por:
R$ 39,00

ou 2x de R$ 20,28 com juros
ou 3x de R$ 13,78 com juros
 

Poster Mandala Scleranthus

Impresso em papel couchê 230 gramas.

Formato A3 (29,0 x 42,0 cm), com laminação.

Não acompanha moldura, imagem ilustrativa.

O poster é enviado em um tubo para não amassar.

 

O tipo Scleranthus é um dos “Doze Curadores“ do sistema Florais de Bach que caracteriza-se pela indecisão, confusão e hesitação, muitas vezes oscilando entre duas escolhas. Esta incapacidade de decidir o melhor curso de ações para si mesmo pode ser fisicamente e emocionalmente desgastante - esta energia mental é usada repetidamente para examinar uma situação ao invés de manifestar a melhor escolha. O mundo pode ser um lugar difícil para esses indivíduos, pois há possibilidades ilimitadas de se perder, nunca realmente avançar. Scleranthus vai ajudar esses indivíduos a definir-se no seu mundo, convocando a força para formar uma resolução interior. Isso permite uma grande liberação de energia  e que seja feliz  manifestestando a decisão escolhida.

 

A descrição de Dr. Bach

edbach2.jpgAqueles que sofrem muito por serem incapazes de decidir entre duas coisas, ora consideram uma ora consideram a outra. Em geral, são pessoas quietas, que carregam suas dificuldades sozinhas, pois não estão dispostas a discutir sobre elas com os demais.

 

 

Flores e Mandalas

Paralelo entre Edward Bach e Carl Gustav Jung

Os Doze Tipos, dentro do sistema das trinta e oito essências florais, são as 12 primeiras essências que Edward Bach sintonizou: Impatiens, Gentian, Cerato, Clematis, Vervain, Centaury, Scleranthus, Chicory, Agrimony, Mimulus, Water Violet, Rock Rose. Ele descobriu como cada flor contém em sua essência uma virtude, uma vibração particular, que caracteriza como fundamentos da qualidade da Alma.

Edward Bach associou as doze plantas com tipos de personalidades e nas suas pesquisas concluiu que as essências florais podem ajudar a promover mudanças. Ele considerou doze qualidades essenciais que são lições universais da Alma: amor, fé, alegria, paciência, paz, bravura, coragem, bondade, sabedoria, paixão, força e determinação. Dr. Bach buscou uma compreensão mais profunda para o alívio do sofrimento humano e descobriu que as flores vibram um poder de cura de alta frequência, sendo capazes de transformar a personalidade.

Quase que simultaneamente, por volta de 1933, o psiquiatra suíço Carl Gustav Jung delinea os tipos psicológicos – este é o ponto em comum com Dr. Edward Bach.

Jung estudou o tema “mandalas” e utilizou-as em sua prática clínica. Ele descobriu que as mandalas expressavam conteúdos interiores do ser humano. Constatou que seus pacientes melhoravam ou relaxavam com o uso da mesma. Ele dizia que as mandalas poderiam trabalhar a Psiquê, atuando no processo de autoconhecimento do cliente. Quando Jung começou a estudar as mandalas e sua manifestação no mundo oriental como instrumento de culto e de meditação, passou a desenhá-las. Passou a observá-las no mundo ocidental, onde descobriu o efeito de autocura que elas exerciam, inclusive em si mesmo.

Ainda seguindo as proposições de Jung a respeito da mandala, segue-se uma função indiscutível do que estas podem oferecer ao indivíduo: dar a noção de que toda a representação da psique na estrutura mandálica, pressupõe um CENTRO. O CENTRO pressuposto na representação da mandala é exatamente o que Jung chama de SI MESMO. As necessidades espirituais são representadas pelo Si Mesmo, por estarem ligadas a um Poder Maior de Sabedoria, e são elas que mostram nossa missão e sentido de existência (da Sabedoria Espiritual que a vivifica). O contato com essa missão e sentido é que favorecem a saúde psíquica como um todo, pois, a harmonização da consciência com os Verdadeiros objetivos a que ela precisa operar, é que a tornam digna de ser usada saudavelmente em prol da evolutividade do ser mandálico em equilíbrio para sí e para a sociedade onde convive.

Portanto, as Mandalas dos Doze Tipos de Bach, nos convidam à singularidade de uma experiência única: a presença vibrante da mandala abre para a comunicação e interação das energias contidas entre a essência da flor e a dimensão humana do corpo e das emoções. É interessante observar que ao contemplar a mandala floral a mente parece esvaziar-se dos ruídos dos pensamentos, dando lugar à uma nova consciência e criando um silêncio onde o coração repousa.

Mais informações: clique aqui.

Fonte:

JUNG, Carl Gustav. Os Arquétipos e o Inconsciente Coletivo. – Petrópolis : Vozes, 2000. Cap. XII - O simbolismo das mandalas.

 

 

 

 

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Características


    Confira os produtos